Fim de semana agitado nas minas gerias de valardares á BH e neves.

Esse foi nosso ganhador do torneio Noderstern de Domingo na Segunda edição do Nerd Street, que levou um exemplar do Livro A Maquina do Tempo de H.G.Wells

Ganhador Gill

Breve mais novidadess….visitem Loja Minas Steampunk.

Continuar lendo

Categoria(s): Eventos | Tag(s):

26 de Jun de 2013, por

Como foi a Oficina

Nosso evento foi ótimo, tivemos muita receptividade do publico agradeço  a todos os participantes da oficina.
Agradeço a equipe do Parque Lagoa do nado que foram muito atenciosos.

 

Vejam a fotos do evento no parque Lagoa do Nado.



 
Mais fotos no nosso Face>>

Simbora nesse trem sô!

Continuar lendo

Categoria(s): Eventos,Oficina | Tag(s):

2 de Jun de 2013, por

Oficina, simbora Sô

No próximo dia 23 estaremos ministrando um oficina histórica e de customização Steampunk no parque Lagoa do Nado em BH.Também falaremos um pouco sobre o que é o Steampunk e sua evolução até os dias atuais. Para  a oficina de customização faremos inscrições pelo nosso e-mail da loja as inscrições são limitadas:

Inscrições :

  • brucelima@steampunk.com
  • ninaluft@hotmail.com

Oficina Steampunk

Continuar lendo

Categoria(s): Oficina | Tag(s):

Saudações Confrades! A Loja São Paulo do Conselho Steampunk está organizando mais um evento e desejamos a colaboração de todas as outras Lojas e membros na divulgação, podemos contar com vocês?

Eis o Link - http://sp.steampunk.com.br/2012/11/24/steamcon-2013-paranapiacaba-a-cidade-steampunk/ - e abaixo segue o texto de divulgação do evento:

Atenção, Steamers! Exploradores, cientistas malucos, damas ousadas, piratas dos ares, caçadores de vampiros, engenheiros e autômatos!

O Conselho Steampunk – Loja SP anuncia a SteamCon 2013! Serão mais de 24 horas de evento em um dos lugares mais fantásticos do Brasil: a Vila Ferroviária de Paranapiacaba!

A Convenção ocorrerá nos dias 26 e 27 de janeiro de 2013, sábado e domingo, na vila histórica de Paranapiacaba, uma vila ferroviária que parou no século XIX, e teve seu patrimônio cultural, tecnológico e ambiental, tombado pelo IPHAN (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional) e pelo CONDEPHAAT (Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Artístico, Arqueológico e Turístico do Estado de São Paulo).

Com a proposta de imersão espaço-temporal, a programação propiciará aos participantes atividades interativas, como workshops de customização, de moda revivalista, de contação de histórias, Live Action Role Playing (jogo vivenciado pelos participantes) pelas ruas da Vila, além de palestras sobre o gênero, confraternização e muita diversão.

Aos entusiastas, será uma grande “pá de carvão nas caldeiras” para começar 2013 a todo vapor!

Ao público em geral, incluindo os moradores da Vila, será uma grande festa que renovará a alegria de um local que vive basicamente do turismo histórico.

Pacotes para Imersão:

Imersão Total (Pousada + 3 Refeições + Passeios): 150,00

Imersão Parcial (Pousada + 3 Refeições): 130,00

Imersão Diurna (3 Refeições + Passeios): 80,00

Imersão Noturna (Pousada): 80,00

Conheça o Conselho Steampunk: www.steampunk.com.br

Saiba mais sobre a Vila Ferroviária de Paranapiacaba: www.avilainglesa.com

Maiores informações e dados para pagamento, favor entrar em contato: r.candido@steampunk.com.br

Continuar lendo

Categoria(s): Uncategorized | Tag(s):

A Loja Minas Gerais do Conselho Steampunk no Valadares Power 2012

E como disse o trem partiu e nossa primeia parada foi em Governador Valadres, onde a Loja Minas Gerais do Conselho Steampunk  participou  no sábado

levando nosso museu SteamPunk , a nossa oficina de armas SteamPunk e nosso mini-evento em parceria com o grupo de teatro C.A.O.S.S. a “Hora do Chá“. Fomos muito bem recebidos pelo

evento e pelo publico do Valadares Power,  espero que todos tenha curtido o evento e  a nossa sala ,  agradeço a todos que fizeram parte dese evento maravilhoso.

mais fotos Facebook

 

A hora do chá, Evento Steampunk resultado da parceria entre a Loja Minas Gerias do Conselho Steampunk e o teatro C.A.O.S.S

“Simbora  a todo vapor nesse trem sô!”

 

 

 

Continuar lendo

Categoria(s): Eventos | Tag(s):

30 de Jun de 2012, por

Picnic Vitoriano BH

Ola, Steamers.

O Picnic Vitoriano BH  ja tem data. Será neste dia 14/07 no parque municipal.

Confiram o flayer do evento

Picnic Vitoriano BH 2012

Picnic Vitoriano BH

Continuar lendo

Categoria(s): Eventos | Tag(s):

5 de Feb de 2012, por

Trem Novo

Ola a todos Steamers de Minas,a loja de Minas Gerais esta de volta.

Estivemos reunidos com alguns membros da loja e  bem fizemos nossa primeira oficna Steam de confecção de armas e garimpo de engrenagens

Confira algumas fotos:

Não percam esse trem que volta com novo itinerário em 2012.

“Simbora  a todo vapor nesse trem!”

Continuar lendo

Categoria(s): Oficina | Tag(s):

9 de Jan de 2012, por

Como surgiu o SteamPunk?

O termo SteamPunk surge como subgênero da Ficção Científica em fins de 1980 pelas mãos de Kyle Wayne Jeter, que buscava uma forma de descrever sua obra literária e as obras de Tim Powers e James Blaylock.

A etimologia do termo se baseia não nos significados individuais das palavras “Vapor” e em “Punk”, como normalmente é suposto, mas na corruptela do nome de um outro subgênero da Ficção Científica, o CyberPunk, o que fica claro quando se lê a carta na qual K.W.Jeter batiza o novo gênero:

“À Revista Locus,

Segue uma cópia de meu romance ‘Morlock Night’ – que agradeceria se pudesse encaminhar para Faren Miller, como primeira evidência de quem no triumvirato Powers/Blaylock/Jeter estaria escrevendo esta forma de História Alternativa primeiro. Entretanto fiquei obviamente lisonjeado com o artigo que ela escreveu na Locus de março.

Pessoalmente acho que fantasias Vitorianas serão ‘o próximo grande filão’, contanto que cheguemos a um termo adequado para o trabalho que Power, Blaylock e eu mesmo estamos desenvolvendo. Algo baseado na tecnologia da época; como ‘SteamPunk talvez…”

- K.W. Jeter

A despeito do termo ter sido cunhado em fins da década de 80, muitas pessoas usam-no para descrever obras que surgiram antes do termo ser criado, como o fazem para as obras de Jules Verne, Mark Twain, H.G.Wells, Mary Shelley e de muitos outros autores do Século XIX, que servem como referência do gênero para escritores da atualidade.

Muito embora K.W. Jeter tenha lançado as bases tanto da terminologia quanto da linguagem SteamPunk em fins de 1979, com “Morlock Night”, o trabalho de William Gibson e Bruce Sterling acabou por ficar em maior evidência no início da Década de 90, quando lançaram o livro “A Máquina Diferencial” – fenômeno bastante natural uma vez que sua fama os precedia graças a criação do gênero CyberPunk e por suas idéias revolucionárias na Literatura.

É importante ressaltar que apesar de o termo SteamPunk ser o mais popular, alguns autores acabaram por não concordar com seu uso e chegaram a outros nomes, como ClockPunk, RetroFuturismo ou Gas Light Fantasy - termos que os fãs até tentam usar como subgêneros do SteamPunk, no lugar de suprimí-lo.

Continuar lendo

Categoria(s): História | Tag(s):

A Cubicle 7 Entertainment lançará em agosto o livro de RPG “Abney Park’s Airship Pirates, baseado nos trabalhos desta banda de Seattle. Num futuro imaginário, a população neo-vtioriana luta contra um governo opressor, enquanto no céu naves piratas travam suas próprias batalhas.

O design do jogo ficou a cargo de Peter Cakebread e Ken Walton, e o volume terá cerca de 300 páginas e será inteiramente colorido.

O jogo deverá custar 49 dólares, e a primeira aventura, “Ruined Empires” está programada para ser lançada junto ao livro básico.

Enquanto nós aguardamos, deixo os senhores com a canção homônima da Abney Park:

YPH1OoTobtk

Fonte: ICv2

Continuar lendo

Categoria(s): Uncategorized | Tag(s):

30 de Jan de 2011, por

SteamPunk e meus livros

Em meu texto anterior, falei sobre como o que havia de antigo no século XIX é o que mais me atrai. A vida social intensa, os contatos predominantemente pessoais, a ausência de culpa em relação aos prazeres da mesa. Não são exatamente os temas fundamentais do SteamPunk, mas acabei concluindo que a crítica com relação ao mundo atual, visto como resultado dos processos iniciados naquela época, me aproximava do movimento. Em mim, esse banzo de uma época em que meus avós ainda não tinham nascido foi causado pela leitura de livros: Eça, Machado de Assis, Proust, Balzac…

São autores que, embora estupendos, não figurariam numa lista de literatura SteamPunk. Mas, sem o saber, também já tinha entrado na seara Steam, na companhia de Julio Verne, Arthur Conan Doyle, Edgar Allan Poe e até Charles Dickens e Émile Zola. Não por acaso, eles viveram no meio da fervura, testemunhando e participando dos acontecimentos que marcaram a época. Em Machado de Assis e Eça, dos atrasados Brasil e Portugal, esta efervescência passa ao largo. Acho que o mesmo se pode dizer dos autores russos que conheço.

Qualquer um que tenha lido Julio Verne em criança foi SteamPunk sem saber. Quem nunca sonhou em viajar no Nautilus do Capitão Nemo, ou no balão de Phileas Fogg sobre a África? E entrar numa bala de canhão pra Lua? Imaginar proezas fantásticas a partir das tecnologias existentes era o que Verne fazia de melhor, expressando o espírito de uma época em que se achava que tudo era possível. Já Doyle e Poe deixaram, além de excelentes histórias, alentadas descrições sobre como se vivia na e como era a Londres oitocentista, a cidade onde quase tudo aconteceu. Londres até hoje mereceria o título de capital SteamPunk do mundo. Ainda está tudo lá, o fog, os prédios de tijolo vermelho enegrecidos pela fumaça das chaminés, o clima soturno. Até o clube para gentlemen que o Phileas Fogg frequentava deve existir até hoje.

Dickens e Zola acrescentaram uma pimenta de crítica social à coisa. Descreveram realisticamente uma sociedade que o avanço tecnológico e os confortos por ele criados eram um privilégio de poucos, garantido pelo trabalho penoso de muitos. Para ter vapor, era preciso queimar carvão, retirado de minas perigosas e insalubres a um alto custo humano, como vemos em Germinal.  Já em A Besta Humana, os personagens são quase todos ferroviários e Zola registra o impacto exercido pelo surgimento das locomotivas a vapor numa França ainda rural.

Também nas indústrias, a produção em grande escala era garantida por homens, mulheres e crianças que trabalhavam literalmente até cair. Em Hard Times, por exemplo, Dickens retrata magistralmente esse lado ruim da Revolução Industrial.

Vê-se que a ambigüidade entre fascínio e crítica com relação aos novos tempos já estava presente na literatura da época. Ao mesmo tempo em que atiçava a imaginação, a tecnologia criava problemas, e nada disso escapou à observação dos escritores. Até mesmo numa lista curtinha como a que vai acima já é possível tal percepção. Sei que omiti muitos autores, mas a lista reflete a estreiteza de minhas leituras, e por isso peço a eventuais leitores a gentileza de citar nos comentários mais livros e autores da época que sejam essenciais a uma biblioteca SteamPunk.

Continuar lendo

Copyright © Conselho SteamPunk 2010